Os semelhantes se atraem e se ajudam!!!

No post “Ele é o cara certo pra mim?” [pra ler click aqui] eu comentei sobre como é importante o casal ter a amizade como base para a relação amorosa e que casais que se divertem juntos e gostam de coisas semelhantes tendem a ter mais companheirismo, proximidade e conexão.
Hoje eu quero me aprofundar mais na questão da AFINIDADE e comentar que o velho modelo de que “os opostos se atraem” está cada vez mais sendo substituído pelo modelo “os semelhantes se atraem e se ajudam”, porque a sociedade como um todo vem mudando, as mulheres estão mais independentes, estão mais ativas no mercado de trabalho, com currículos e salários cada vez melhores.
Essa independência feminina permite que as mulherem viagem mais, trabalhem mais e fiquem menos em casa. Isso faz com que elas busquem companheiros mais parceiros e dispostos a dividir as tarefas do dia a dia e a vida em geral de forma mais igualitária.
Assim, quanto mais coisas afins eles compartilharem, maior será a cumplicidade, a amizade e a ligação entre eles.
O comercial indiano abaixo deixa bem claro o quanto ajuda mútua e a parceria entre os casais é importante nos dias atuais.
Mas qual tipo de afinidade merece grande atenção por parte do casal?
A afinidade de valores.
Os valores são normas morais que você escolhe para nortear suas decisões e sua conduta ética no dia a dia. Por exemplo: honestidade, confiança, comprometimento, respeito, humildade, responsabilidade, parceria, flexibilidade…
Primeiro você precisa identificar quais valores são importantes pra você e em seguida observar se a pessoa com quem você esta se relacionando compartilha dos mesmos valores. Lembre-se, dificilmente alguém vai dizer que é desonesto. Não seja ingênuo (a). Observe as pequenas coisas, conviva, invista tempo em conhecer, e como diriam os mais velhos, “coma 2kg de sal com a pessoa que você está apaixonado” antes de entrar em um tipo de relacionamento mais sério como o casamento. Fique atento(a) as mentiras e contradições…
O comportamento e as ações da pessoa e não a fala dela é que vão demostrar de fato quais são os seus valores. Algumas pessoas estão tão apegadas a imagem “perfeita” que criaram do companheiro(a) que SE DEIXAM SER ENGANADAS. Ou então ficam muito ansiosas para casar e construir logo sua própria família que deixam de ser tão criteriosas nas suas escolhas e novamente se auto-enganam.  Elas vivem uma mentira para evitar a frustração de ter de lidar com a verdade ou então esperam ingenuamente que o companheiro(a) mude sem o(a) tal companheiro(a) de fato estar comprometido com essa mudança. Por mais que você queira você não pode tomar uma decisão de mudança que só cabe ao seu companheiro (a) tomar. Quanto mais sóbria e realista for sua decisão em relação a escolha do seu companheiro (a) menor a possibilidade de você se decepcionar.
As vezes existe um forte sentimento de amor, mas a incompatibilidade de valores faz com que ambos se machuquem.
Tereza e Pedro se amavam, havia muito carinho entre eles, mas Pedro tinha problemas com mentiras. Ele mentia sobre pequenas coisas e sobre situações mais sérias. No começo Tereza foi relevando, “é o jeito dele, mas ele é boa pessoa”. Ele começava omitindo fatos, depois mentindo para encobrir as suas omissões. Dizia que havia pago a conta de luz mas depois chegava a segunda via e era Tereza quem pagava. Ela desconfiava que havia alguma coisa de errado com as finanças deles mas evitava conversar sobre isso para não gerar chateações. Por fim, as mentiras de Pedro comprometeram muito a vida financeira do casal. Quando Tereza descobriu, Pedro já havia feito uma dívida de 50 mil reais “Eu não achei que ele chegaria a esse ponto”. Ele feriu os valores que eram importantes para ela, a honestidade, a responsabilidade e a confiança.
João era apaixonado por Lara mas terminou o namoro ao perceber que ela não costumava perdir desculpas quando cometia erros e não era uma pessoa comprometida com seu trabalho, ela costumava procrastinar, não concluia seus projetos e sempre responsabilizava outras pessoas por isso. Humildade, responsabilidade e comprometimento eram valores importantes pra ele.
Preste atenção nas atitudes da pessoa com quem você se relaciona. Essas atitudes costumam se repetir e geram um padrão de comportamento. Se permita ver. Observe se os valores são realmente compatíveis com os seus.
Outra Afinidade Também muito importante para o casal é sobre a VISÃO DE FUTURO EM COMUM. 
Luana namorava há 1 ano com Ricardo e ao perceber que ele queria noivar, ela decidiu conversar sobre o futuro a longo prazo. Foi então que percebeu que Ricardo sonhava em morar no Canadá desde a sua adolescência e já estava se preparando para fazer isso no próximo ano. Mas ela queria muito continuar morando próximo a sua família montar outra loja de roupas e acompanhar o crescimento dos sobrinhos e presenciar a velhice dos avós. Ricardo ficou surpreso “Como assim você não quer morar o Canadá?”. Para ele era uma decisão muito óbvia mas pra ela não.
Quando um casal vai tomar uma decisão sobre o futuro é importante que ambos se sintam beneficiados com o projeto de vida. E para que nenhum dos dois seja pego de surpresa, é interessante que o casal mantenha um diálogo frequente e aberto sobre o cada um sonha e quer pra si. Sejam sinceros desde o início e flexíveis se necessário.
E você? Tem conversado com seu parceiro sobre seus projetos para o futuro? Seus valores são semelhantes?
Comente e participe da Coluna Quero Ser Feliz no Amor.
Beijos e até a próxima quarta.

4 comentários sobre “Os semelhantes se atraem e se ajudam!!!

  1. Como sempre o tema aborda realidades da vida. Eu por exemplo passei a fazer coisas que admirava meu marido fazer. Sei também que ele conseguiu ser um homem mais engraçado, solto por minha causa. Trocas interessantes para os dois. Vivendo e aprendendo!!

  2. Adorei Bruna. As decisões em conjunto com relação ao futuro e deixar claro para o outro quais os seus sonhos e desejos são importantíssimos. Ao longo dos 18 anos de casada já tivemos que mudar de uma cidade pra outra várias vezes por conta do trabalho dele e eu como sempre acompanhando-o, mesmo com um pouquinho do receio do ‘novo’. Mas, cada vez que isso acontecia, sentávamos pra ele explicar os benefícios que ele teria e então era o momento de falar pra ele também o que aquela mudança iria interferir nos meus planos e pensávamos juntos numa maneira de continuar com meus projetos mesmo em outro lugar. E sempre consegui com o apoio dele, e até hoje não me arrependo de ter feito essas mudanças. Pelo contrário, todas elas me favoreceram ainda mais. Abraços!

    • Que depoimento bacana Mônica! Vivo uma situação semelhante, pois meu marido e eu também nos mudamos com frequência. Esse diálogo é muito importante para o casal, os dois precisam se sentir motivamos e beneficiados com a mudança e para isso é preciso ter empatia, um se colocar no lugar do outro. Vale a pena se abrir para novas experiências e se dispor a absorver o melhor de cada situação. Abraços e até quarta feira que vem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *